A Cersaie 2010 é uma porta para a imaginação…

Segue a visão de um grande amigo que hoje vive no México, Leonardo Vieira

Como sempre a feira é sobre tudo uma grande oportunidade de ver as novas tendência da indústria em termos de produtos e tecnologias e encontrar amigos.
O nível dos produtos apresentados foi bastante alto nos principais produtores italianos e espanhóis, quase todos com produtos feitos com decoração digital, bem como os tipos “Slim Tile”, muito presentes nos fabricantes italianos…

Apareceram varias coisas interessantes como uma solução ao aspecto frio da cerâmica, aplicando uma capa de resina sobre o azulejo que da a sensação de um produto “quente” como a madeira, ou também os produtos com superfícies bacteriana, que parece são uma tendência clara e consolidada. Porem neste ano o que mais saltou a vista é que a tecnologia de injeção de tinta digital veio para ficar e ocupar um lugar muito importante dentro da produção e da decoração cerâmica.

A diversidade de tecnologias e maquinas de injeção de tinta, vista na feira, é uma prova do grande esforço dos fabricantes para atender a demanda das cerâmicas que buscam diferenciar seus produtos usando cada vez mais tecnologias inovadoras. Também esta claro que esta tendência e tecnologia não vêm para substituir nada, vem para complementar o que já existe. A tecnologia digital vai abrir novas possibilidades de desenho combinando com as técnicas tradicionais, para lograr resultados que antes eram impossíveis ou muito difíceis de conseguir, somente com as tecnologias tradicionais.

Isso traz um novo panorama de competitividade e diferenciação de produtos para as cerâmicas. O caráter complementar da injeção de tinta com a decoração tradicional vai permitir que as cerâmicas se diferenciem nas suas propostas de produto, dando um novo dinamismo para o sector. Copiar um produto feito com tecnologias combinadas, tradicional e digital, resultará muito mais difícil, permitindo que se possa extrair mais valor dos productos mais inovadores na sua comercialização, com menores riscos de copias. O problema é que o “Know How” da tecnologia digital ainda não esta difundido entre as cerâmicas e os coloríficios, sendo difícil o acesso a ela e, portanto, o uso de estas tecnologias. As empresas que apostem por esta tecnologia, devem começar a desenvolver o seu próprio “Know How”, que as colocará em uma posição vantajosa para o futuro, incluindo em suas linhas de fabricação a tecnologia digital e a capacidade de desenvolver produtos com estas características.

Também se viu uma forte preocupação em produzir de forma mais “Verde” para atender os requisitos ambientais de mercados como EUA e Europa. Sem sombra de dúvida essa será uma tendência para o futuro. As empresas que agreguem tecnologias mais verdes de produção vão ter redução de custos e vão poder ter acesso a mercados mais importantes e de alto valor como Europa e EUA.

Creio que o futuro do setor cerâmico apresenta tendências desafiadoras como as mencionadas anteriormente, tudo associado com a globalização de este sector, onde quase qualquer produto pode ser feito em qualquer lugar, vai trazer uma nova dinâmica para o negocio, permitindo que as empresas que tomem riscos agora possam desfrutar de melhores posições de mercado no futuro.

 

 

Director Geral Smaltochimica America, Production Manager at Ferro Spain, Technical Director at PT Ferro Indonesia, Production Manager at CERDEC Brasil

Camila Lamberti

Designer e Gerente de produtos, Camila Lamberti atua em uma empresa de grande porte do setor cerâmico nos estados de São Paulo e Bahia e tem como foco a pesquisa de tendências e conceitos que conquistem os consumidores. Com isso, Camila está sempre um passo a frente em relação às novidades do mercado de produtos para arquitetura, decoração, design e acabamentos.

Você pode gostar...